12 - Mudar o mundo ou mudar você

Mudar o mundo ou mudar você?

 

            Um dos temas que já se tornou comum nos últimos anos são as tentativas de muitos em “salvar o mundo”. Problemas não faltam. Temos problemas ambientais, políticos, econômicos, sociais e sanitários e as soluções levantadas são as mais diversas, porém, todas elas exigem mudanças, geralmente radicais, que pouquíssimas pessoas estão dispostas a fazer, até mesmo, entre os que defendem tais mudanças.

            Mudar sempre é difícil. Geralmente temos dificuldades em mudar nossos hábitos, por mais que tenhamos a consciência desta necessidade. Por isso, assim como acontece com muitos “ativistas” de hoje, é muito mais fácil cobrar mudanças na vida dos outros do que fazê-las em si mesmo. Por exemplo: é fácil reclamar que se produz muito lixo enquanto não se abre mão de se usufruir da praticidade e higiene proporcionadas pelas embalagens descartáveis.

          Quando queremos que os outros mudem, mas não estamos realmente dispostos a mudar, só nos tornamos pessoas insuportáveis, que gostam de criticar, mas de forma nenhuma aceitam serem criticadas. Isso não acontece somente em questões ambientais, mas em tudo, até entre os cristãos. É fácil apontar os pecados na vida dos outros, mas aceitá-los em si mesmo é algo muito difícil e doloroso. É fácil querer mudar os outros, o difícil é mudar a si mesmo.

             No sermão do monte, em Mateus 7.1-5, Jesus fala sobre o hábito de criticar os outros. Ele usa um exemplo bem simples, de querer tirar o cisco que está no olho do outro, enquanto não vê, que no seu próprio olho, tem algo bem maior. O conselho de Jesus é: limpe primeiro o seu olho, em outras palavras, a mudança tem que começar em você.

               Essa é a verdadeira mudança que Deus quer fazer em nossa vida por meio de Jesus e sua Palavra. Ele quer nos mudar de dentro para fora, o que em João 3.3 é expresso pelas palavras “nascer de novo”. Nascer de novo implica em mudanças profundas, ter uma nova mentalidade, novos valores, sentimentos e condutas. Somente assim, com uma mudança sincera e profunda em nós mesmos, é que, pelo exemplo, vamos mudar a outros, que mudarão a outros, num efeito cascata que, por fim, vão acabar trazendo algumas mudanças significativas ao mundo.

            Jesus não veio para julgar o mundo, mas para salvá-lo do mal e do pecado, e ele faz isso salvando pessoa por pessoa, mudando um de cada vez pela ação do seu Espírito Santo no coração. Ele nos mostra que, antes que julgar ou querer mudar alguém, a mudança deve estar em nós. Por isso, antes de querer mudar o mundo, comece mudando você, ou melhor ainda, comece permitindo que Deus mude você.

“Não vivam como vivem as pessoas deste mundo, mas deixem que Deus os transforme por meio de uma completa mudança da mente de vocês. Assim vocês conhecerão a vontade de Deus, isto é, aquilo que é bom, perfeito e agradável a ele.” (Romanos 12.2).

           Pense nisso. Amém.

Capelania São Mateus