12 - Sl 127.3 - 20-3-19

Muito se tem falado sobre o “Momo”, que seria uma espécie de “entidade” adicionada em desenhos infantis na internet, com a finalidade de convencer crianças a praticar suicídio. Bem, antes de qualquer coisa, é bom que se saiba que o tal “Momo” é apenas uma escultura baseada numa lenda japonesa chamada de “Mãe-Pássaro”, que pelo material que foi confeccionada, deteriorou-se e foi destruída recentemente.

Em julho de 2018 foi a primeira vez que se ouviu falar no “Momo”, que aparecia no Whatsapp e Facebook, interagindo com os usuários como se fosse uma entidade viva, porém, nada foi provado e tudo não passou de uma brincadeira de mau gosto. Esse ano o tal “Momo” volta a aparecer em desenhos infantis, incentivando a crianças a prejudicar a si mesma e a outras.

Na verdade, não existe nenhuma ocorrência real com crianças e adolescentes que possa ser ligada ao tal “Momo”. Todos os relatos que, inclusive já foram temas na TV, são falsos, basta uma rápida busca na internet para se informar (Sites como www.e-farsas.com tem artigos desmascarando notícias a respeito do “Momo”).

Porém, o Fenômeno “Momo” nos revela um grande e assustador problema: as crianças estão ficando sozinhas diante de conteúdos da internet. A interatividade pessoal dos pais com os filhos foi trocada pela tela dos tablets e smartphones. Que tudo isso nos leve a refletir e a entender que, se pais e filhos ficassem mais próximos, não precisaríamos temer “Momos” ou outras coisas que surgem na internet.

Não esqueçam: “Os filhos são um presente do SENHOR; eles são uma verdadeira bênção.” (Sl 127.3).

Pastor André Silva

capelania@saomateus.g12.br