05 - Lavar as mãos

Lavar as mãos

“Então Pilatos viu que não conseguia nada e que o povo estava começando a se revoltar. Aí mandou trazer água, lavou as mãos diante da multidão e disse: —Eu não sou responsável pela morte deste homem. Isso é com vocês” (Mt 27.24).

            Lavar as mãos é muito importante, é um gesto de higiene e que evita a transmissão de muitas doenças, como o coronavírus, por exemplo. Por isso, nunca devemos deixar de lavar bem as mãos. Porém, quando lemos em Mt 27.24 que Pilatos lavou as mãos diante da multidão, seu gesto tem um sentido bem diferente.

            Pilatos lava as mãos diante do povo para dizer que ele não tinha nada a ver com a morte de Jesus. Na verdade, ele não se importava com Jesus e nem com aqueles que pediam sua morte. Pilatos só se importava consigo mesmo. Sua única preocupação era não ter problemas com o imperador Herodes que estava em Jerusalém.

            Mas não é só Pilatos que “lava as mãos” diante de situações difíceis. Todos nós, em muitas situações, também “lavamos as mãos” quando não queremos assumir as nossas responsabilidades. É mais fácil fingir que o problema não é nosso do que enfrentá-lo de frente. Assim vamos levando a vida pensando mais em nós mesmos do que nos outros, colocando a nossa vontade até mesmo acima da vontade de Deus, afinal, o que importa nos “darmos bem”, assim como Pilatos.

            Mas Deus não é como Pilatos e nem como nós. Deus não “lava suas mãos” diante dos nossos problemas. Ele age em nosso favor; ele vem ao nosso encontro, em nossos sofrimentos, problemas e preocupações. Ele se importa com a nossa vida a ponto de enviar Jesus, seu filho, ao mundo para morrer na cruz por nós… por amor a nós.

Na sua Palavra Deus nos ensina a fazer o mesmo, a se importar com o nosso semelhante, a agir em favor do próximo ao invés de arrumar desculpas para “lavar nossas mãos”. Até porque, a beleza da vida não está nas desculpas que damos e muito menos nas coisas que nos livramos, e sim, naquilo que nos envolvemos e entregamos um pouco de nós, especialmente junto aqueles que compartilhamos a nossa caminhada. Pense nisso! Amém.

Pastor André

Capelania São Mateus